Header Ads

ad

GERVÁSIO LIMA : RIO SÃO FRANCISCO PEDE SOCORRO PELAS COROAS .

(Por Gervásio Lima, Jornalista e historiador ).

Gervásio é nosso colaborador e correspondente da cidade de Jacobina e toda  Região .




A destruição das matas ciliares e de outras matas protetoras, combinada com a redução da correnteza, provocada pela retenção das águas por represas, é responsável pela aceleração do assoreamento do Rio São Francisco. Por conta disto, um fenômeno não obstante comum, tem ocasionado, ao longo de décadas, a formação de coroas e ilhas no leito do rio, que são observáveis em diversas partes dos seus trechos. A falta de chuva agrava o problema, diminuindo o volume de água e expondo as áreas assoreadas (coroas) .

No município de Morpará, localizado no médio São Francisco, em vários trechos foram formadas piscinas naturais. No trecho que corta a cidade, de aproximadamente 2 quilômetros de extensão, o rio corre sinuosamente entre barrancas que têm cerca de um metro de altura em relação à superfície das águas. A formação de “coroas”, pequenas ilhas de areia é um fenômeno que acontece todos os anos, mas os ribeirinhos e pescadores garantem que nunca se viu algo parecido. O rio tá seco demais, muito raso, pode atravessar por praticamente toda a sua extensão a pé, caminhando, pois dificilmente é encontrada uma profundidade de mais de meio metro de altura. Em praticamente todas as áreas assoreadas do leito do Rio São Francisco, observa-se intensa atividade agrícola, associada a práticas de manejo inadequadas, queimadas, subtração da vegetação ciliar, loteamentos de urbanização, parques industriais de alto potencial poluidor, estruturas de lazer não regulamentadas e emissão de esgotos sem nenhuma forma de tratamento. Este uso múltiplo das águas tem transformado totalmente o leito natural do rio .

Diz a lenda que o São Francisco nasceu das lágrimas derramadas pela índia Irati. Com saudade do bravo companheiro que foi lutar pela posse da terra contra o homem branco e não voltou mais, Irati sentou em uma pedra e chorou dias. De tão grande sua tristeza deu origem ao Opará, que significa rio-mar, na linguagem indígena. O desprezo de Irati, pela tristeza em ver a atual situação que se encontra o que supostamente foi responsável em criar, faria com que surgissem dezenas de rios São Francisco, tamanha seria a extensão das águas derramadas por seu choro. Desde o descobrimento do rio pelo navegador italiano Américo Vespúcio, o São Francisco nunca se pareceu tanto com um lamento. O Velho Chico, apesar de continuar belo, jamais esteve tão maltratado.

Segundo a Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, os sedimentos (detrito rochoso resultante da erosão) já são registrados no leito do rio a taxas “altíssimas”. É como se fossem despejados no ano milhares de toneladas de terra no leito do rio. O assoreamento é tão sério que em muitos trechos, o transporte de passageiros e cargas já não existem mais, ou estão comprometidos. De acordo com os estudos e com os relatos dos próprios moradores das comunidades ribeirinhas, o leito do rio está a cada ano mais assoreado e poluído. Os prejuízos ambientais são incalculáveis, o que, consequentemente atinge diretamente pequenos agricultores e pescadores que vivem exclusivamente do que as águas do rio oferecem, ou ofereciam. Os pescadores costumam dizer que existem mais pescadores que peixe.

O prefeito do município de Morpará, Sirley Novais Barreto, conhecido como Lelei, demonstra preocupação com a situação do rio. Segundo ele, a Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente da cidade estará encaminhando um relatório sobre a atual situação do rio para os órgãos estaduais e federais ligados ao meio ambiente. “Esperamos encontrar uma maneira para que haja uma reversão da situação. Sabemos que é necessário urgentemente investimento em obras, principalmente de dragagem e derrocamento. O Governo Lula, através da Codevasf, autorizou a construção de sistemas de esgotamento sanitário em todos os municípios banhados ou que existem afluentes do rio, como parte do projeto de revitalização. Acreditamos e desejamos que no próximo governo este trabalho tenha continuidade, pois assim poderemos sonhar com um ‘novo’ Velho Chico, totalmente vivo e responsável por milhares de vidas”, filosofou o prefeito Lelei de Morpará.

Na cidade de Morpará, as Coroas viraram a principal área de lazer. Famílias inteiras aproveitam os dias ensolarados para banharem nas águas do Rio São Francisco .

INFORMAÇÕES E COLABORAÇÃO : GERVÁSIO LIMA .
FONTE : BLOG XIQUESAMPA .

Um comentário:

  1. Boa noite,

    Me chamo Dal Bezerra, trabalho no MMA com o Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. Tomei conhecimento da matéria por meio de Leandro da Prefeitura de Morpará. De lá pra cá, venho tentando contato com Gervásio para que possamos publicar o seu artigo no próximo número do Coleciona, fichario de Educação Ambiental.
    Meu contato:
    adalcira.bezerra@mma.gov.br
    Saudações sanfranciscana,
    Dal Bezerra

    ResponderExcluir

ATENÇÃO!!! Tenha responsabilidade em seus comentários, não nos responsabilizamos por conteúdos impróprios .