[NEWS][6]

r
v
xique-xique

NASCIDO EM PRESIDENTE DUTRA (BA), CHEF DE COZINHA ADERVAL MACHADO FAZ SUCESSO E INAUGURA MAIS UM RESTAURANTE EM SÃO PAULO .

O mundo visto da cozinha do chef Aderval Machado, baiano que conquistou a SP chic dos 60 .
Foto:
Glamour com rapadura: Aos 72 anos, Aderval Emílio Machado, nascido em Presidente Dutra (BA) continua com apetite  insaciável. Inaugurou mais um restaurante em São Paulo, o Bistrô da Praça .

Um burrico caminha pela estrada de terra batida na madrugada de 6 de março de 1953. Carrega no lombo um jovem casal que procura a estação de trem mais próxima, ponto de partida para a viagem sem volta com destino à capital paulista. Aderval e Firmícia aproveitaram a escuridão noturna para fugir de um casamento arranjado cuja noiva não era ela, mas outra antiga namoradinha do então menino Aderval. Depois do matrimônio forçado com uma, o noivo decidiu levar a outra, verdadeira amada, para construir uma nova vida em São Paulo. Seu Machado reestréia no métier como sócio de Roberto, terceiro dos cinco fi­lhos que teve com a companheira, Firmícia. Meio século o separa da pequena cidade natal de nome pomposo, Presidente Dutra, na Bahia. Dos 57 anos vividos na capital paulista, 54 passou enfurnado na cozinha. Em meio a colheres de pau e frigideiras fumegan­tes, seu Machado viveu dois terços de sua vida com um olho na panela e outro no salão, de onde extraía informação do que acontecia lá fora, nas ruas. Regado a azeite e uma imensa fome de aprender, o baiano do sertão viu o mundo da cozinha e acompa­nhou a história do Brasil com a barriga esquentando no fogão. Mas,­ antes de refogar o tempero na panela, seu Machado serviu muito prato no salão. A gastronomia se tornou um objetivo atraente após descobrir que o salário do chef era cinco vezes maior do que o dele. Pleiteou uma ocupação humilde na cozinha, já determinado a aprender o ofício. Seu primeiro emprego foi no Taverna do José, na rua Albuquerque Lins. Desde então passou pelo Le Provençale, na rua Martins Fontes, pelo Belle Époque, no Clube Escandinavo, e por outros tantos até comprar seu primeiro restaurante, o Chuleta Dourada, em 1985 .

A cozinha do Terraço Itália estava em polvorosa. O imigrante Evaristo Comolatti, fundador da casa italiana que se consolidou como cartão-postal de São Paulo, acabara de confirmar a eminente visita da rainha da Inglaterra ao restaurante. Em novembro de 1968, Elizabeth II iria, com seu ilustre cortejo, admirar a bela vista da metrópole no terraço de 165 m de altura. E ainda degustar um coquetel gentilmente oferecido pelo italiano, que fazia questão de receber visitas ilustres em seu salão. Nessa época, a cozinha com mais de 30 funcionários já era comandada por seu Machado, o migrante nordestino que teimou até conquistar posto de destaque na gastronomia paulistana. Ele não se intimidou com os nobres convidados, e a recepção foi um sucesso. A rainha e o príncipe Philip só não pude­ram saborear o mais famoso prato criado por seu Machado, o Camarão no coco verde, que entraria no cardápio algum tempo depois: “Desenvolvi esse prato para turistas, a fim de apresentar a comida brasileira ao pa­ladar estrangeiro. Assim, o conhaque usado para flambar o camarão tem um apelo internacional, e o leite de coco junto com o coentro trazem o sabor exótico e bem brasileiro”, explica o cozi­nheiro. Solicitadíssimo, o prato consta até hoje do cardápio do Terraço Itália, coroando 38 anos de sucesso .

Gostava de espiar da cozinha a figura do então prefeito paulistano Faria Lima (1965-69), que jantava quase diariamente no Terraço. “Cansei de chutar bunda de garçom para se demorar a tirar os pratos a fim de ouvir as conversas nas mesas de gente famosa. Conhecia as figuras dos jornais e queria saber sobre o que falavam durante as refeições”, confessa o chef, sem pudor algum. Foi a sede de saber que impulsionou seu Machado a conhecer a cidade grande"Cansei de chutar bunda de garçom para se demorar a tirar os pratos a fim de ouvir as conversas nas mesas de gente famosa”, disse seu Machado.

Vai lá: Bistrô da Praça no Endereço: Praça Thomas Morus, 169. Tel.: (11) 3675-2694 .

TEXTO: FERNANDA DANELON
ADAPTAÇÃO: ADRIANO BRITTO 

FOTO: CLAUS LEHMANN 
FONTE: REVISTA TRIP .

Jornal Centro Oeste Bahia '

O oeste da Bahia se encontra aqui!

Start typing and press Enter to search