[NEWS][6]

r
v
xique-xique

TERRITÓRIO PIEMONTE DA DIAMANTINA, O DESENVOLVIMENTO É POSSÍVEL .

O Território Piemonte da Diamantina compreende os municípios de Jacobina, Capim Grosso, Miguel Calmon, Ourolândia, Umburanas, Várzea Nova, Serrolândia, Mirangaba, Caém e Saúde .

Apesar de pequeno, do ponto de vista de área territorial, em comparação aos demais (27 no total), se difere logicamente de todos os outros, mas especificamente no sentido de organização, gestão colegial, participação e, principalmente no que diz respeito a sentimento de pertencimento. Talvez por não compreender, ainda, a importância da divisão territorial e qual o papel do; a participação das comunidades, através de suas representações (públicas e privadas) ainda é muito, muito, tímida. Na prática, infelizmente, o Colegiado do Território do Piemonte da Diamantina ainda não tem sido instância política de deliberação sobre o processo de desenvolvimento sustentável pela maioria dos prefeitos, vereadores e representantes de instituições e órgãos regionais. Descaracterizando, portanto, o que é para ser um espaço de participação social (coletivo), de representação, articulação e concentração política, responsáveis por identificar as demandas locais, promover a interação entre gestores públicos e conselhos setoriais, contribuindo com sugestões para a qualificação e a integração de ações e sistematizar o Plano Territorial de Ações Integradas. A vontade, aliada ao querer e a necessidade de mudanças, com a participação legítima da sociedade civil, sentimento aflorado nacionalmente através de manifestações populares, tranquiliza os que lutam por melhoras na qualidade de vida em todas as áreas, corroborando com o mote, “forte é o povo” . 

Problemas – O maior problema da região, sem dúvida, é a seca que assola todas as cidades que compreendem o Território. Cem por cento da lavoura foi perdida e já passa de 80 por cento a perda do rebanho bovino. Outro grande problema é o da área de saúde. Sem hospitais com condições de atendimento de urgência e de média complexidade, muita gente chega a óbito por falta de atendimento. Nos últimos meses de 2012, a maioria dos partos da região estava sendo realizado no Hospital Santo Antonio de Miguel Calmon, porque a sede da macrorregião, Jacobina, não dispunha sequer de plantonista nas duas unidades de saúde que atendia pelo SUS (Hospital Regional Vicentina Goulart e Antonio Teixeira Sobrinho). A Segurança Pública coleciona há anos o status de um dos piores serviços prestados às populações dos municípios do Piemonte da Diamantina. Falta de efetivo, recursos financeiros e viaturas são os principais problemas apontados para combater ao crime, principalmente o do tráfico de drogas. Soluções – Além das melhorias nas áreas de saúde e segurança pública, se faz necessário urgentemente um estudo de viabilidade e implantação de novos cursos técnicos e universitários e construção de uma sede digna do Campus da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), com capacidade de ampliar os cursos e reestruturação das escolas de ensino fundamental e médio. Capacitação e contratação de professores e demais profissionais da educação e um trabalho de conscientização entre famílias e instituições sociais. Implantação de indústrias, pequenas fábricas e incentivos à pequenos negócios fortalecerá a economia regional e melhorará as condições de vida das populações. Dotar os municípios de condições de abastecimentos de água compatíveis com suas necessidades, com construções de adutoras, construções de barragens e ampliações de sistemas de abastecimentos existentes; rever as assistências técnicas rurais e incentivar o cultivo de culturas e criações de animais para fins econômicos de acordo as realidades locais e agregar valor ao que já é produzido . 

É preciso discutir a descentralização dos grandes investimentos do Estado, criando polos industriais por territórios, com incentivos para implantação de fábricas nas pequenas cidades; fortalecer os polos industriais existentes na região: o de fabricação de bolsas em Serrolândia e de Mármore de Ourolândia, a produção de doces e alho da Caatinga do Moura, em Jacobina e Taquarendi, em Mirangaba; a lavoura do abacaxi de Umburanas, a industrialização do ouricuri na região de Caém e Serrolândia, o turismo ecológico em Saúde, Miguel Calmon e Jacobina e acrescentar o território no roteiro do Turismo Religioso do Estado, principalmente o município de Jacobina, onde são realizadas as bonitas e participativas festas de Santo Antonio, São Benedito, Nossa Senhora da Conceição, Divino Espírito Santo, Bom Jesus da Glória (nas comunidades de Cachoeira Grande e Caatinga do Moura) Corpus Christi e Sexta-Feira Santa, a Semana Espírita, o Congresso das Testemunha de Jeová e outros. Na área de infraestrutura, a melhoria das estradas vicinais e recuperação do trecho entre Capim Grosso à comunidade do Paraíso, em Jacobina (BR 324) e o trecho que liga Jacobina à cidade de Morro do Chapéu, passando por Várzea Nova, também é uma das maiores cobranças e necessidades .

O Jacobinense Gervásio Lima é Jornalista, Historiador e colaborador do Blog Xiquesampa .

FONTE: XIQUESAMPA / GERVÁSIO LIMA .

Jornal Centro Oeste Bahia '

O oeste da Bahia se encontra aqui!

Start typing and press Enter to search